Por Ana Luísa Marçal, fisioterapeuta e diretora clínica do Instituto de Pilates, unidade de Guarulhos.

Andar de bicicleta é um exercício aeróbico de baixo impacto, mas para as grávidas pode se tornar algo que precise ter um pouco mais de atenção, não pela prática em si da atividade (exceto em casos em que houve sangramento no início da gestação), mas por outros motivos, principalmente possíveis quedas. Os cuidados ao andar de bicicleta devem ser redobrados principalmente no quarto mês, que é quando o centro de gravidade da gestante começa a mudar, dificultando o equilíbrio.

A prática é benéfica desde que seja respeitado os novos limites do corpo impostos por esta nova fase.  O conselho geral sobre o quanto de exercício fazer ou não fazer durante a gravidez devem ser baseados na rotina que a mulher tinha antes da gestação. Essa fase é onde o corpo passa por mudanças intensas e constantes por isso, não é recomendável sair da zona de conforto. Para aquelas que não tinham o hábito de andar de bicicleta antes da gravidez, durante não é o momento de começar a prática.

Praticar exercício físico durante a gravidez evita que a gestante não ganhe peso exageradamente e se você já era adepta as pedaladas, apenas continue, já que essa atividade estimula a circulação do sangue por todo o corpo, beneficia as articulações, os ligamentos e o sistema cardiovascular. Além do fato de que praticar qualquer tipo de exercícios ajuda a aliviar o estresse e as mudanças constantes de humor que estão presente na maioria das gestantes.

Quando falamos que a prática do ciclismo ou que qualquer outra atividade física pode ser mantida durante a gravidez não significa que ela poderá ser mantida na intensidade que era feita antes do começo da gestação. No caso da bicicleta, meu conselho é evitar locais sem pavimentação, que tenham muitos buracos, sejam bastante movimentados e claro, percursos longos e exaustivos. A ideia é aprimorar o trabalho aeróbico que a atividade proporciona, sem desgaste desnecessário.

Caso a gestante sinta falta e ar, dor excessiva nas pernas é muito importante interromper a atividade imediatamente. O corpo da mulher se sobrecarrega mais fácil, causando mais fadiga e dores musculares. Além disso, ao pedalar, há risco de queda ou colisão, prejudiciais à mãe e ao feto. Portanto tome os devidos cuidados antes e sair pedalando por aí e sempre consulte o seu médico antes.

© AdobeStock

ANA LUÍSA MARÇAL 

Ana Luisa Marçal é fisioterapeuta (Crefito: 127346-F) e atua como Diretora Clínica da Unidade de Guarulhos, do Instituto Pilates. A profissional possui formação em pilates solo e aparelhos para patologias da coluna e estabilização segmentar vertebral; além de especialização em fisioterapia Neurofuncional pela Irmandade Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Saiba mais em: www.institutopilates.com.br