Um dos primeiros setores a sofrer os efeitos econômicos da pandemia do novo coronavírus, foi o turismo e toda sua cadeia.

A boa notícia é que o turismo de aventura será o primeiro a retornar a suas atividades.

Parques abertos

Por serem ao ar livre, amplos e  próximos aos centros urbanos, os parques nacionais e estaduais, e unidades de conservação, serão os primeiros a receber turistas em destinos próximos e acessados com condução própria.  

Parque Vila Velha em Ponta Grossa/Paraná. Foto: Ivan Mendes © Lobi Ciclotur

Concentração de pessoas

A preferência por locais turísticos em ambientes abertos (outdoor) e com pequenos grupos de pessoas, apareceu com intenção de metade dos norte-americanos, segundo um estudo da organização “Destination Analysts”.

Passeio nos Campos Gerais em Palmeira/Paraná. Foto: Ivan Mendes © Lobi Ciclotur

Viagens de carro e camping crescerão.

Outro estudo, feito pela  KOA (Kampgrounds of America), mostrou o aumento de interesse das pessoas em acampar com familiares após a pandemia, nos EUA, de 11% para 16%.

Nas trilhas do Lobo. Foto: Ivan Mendes © Lobi Ciclotur

Novos Cicloviajantes

O uso da bicicleta é uma tendência em várias cidades europeias e que também deve estar cada vez mais presente nas cidades brasileiras. Mais de 100 cidades do mundo aderiram à recomendação de priorizar bicicleta e criaram estruturas temporárias. Além da opção de mobilidade urbana e prática de atividade física, a magrela já será muito acionada em experiências turísticas e cicloviagens de pequenas distâncias, para novatos. Por ser uma opção acessível, saudável e sustentável.

Cicloturismo em família nas trilhas do Lobo. Foto: Ivan Mendes © Lobi Ciclotur

Produção do tema e fotos: Ivan Mendes © Lobi Ciclotur
Texto: Ciclonavegantes