Estudo feito em todo o mundo levantou dados sobre o ciclismo, incluindo o número de pessoas que não sabe andar de bicicleta.

A nova pesquisa “Ciclismo ao Redor do Mundo” foi realizada pela Ipsos (empresa de pesquisa de mercado independente, presente em 90 mercados, que entrega dados e análises sobre pessoas, mercados, marcas e sociedades para facilitar a tomada de decisão das empresas e das organizações) em 30 países e trouxe dados interessantes sobre o ciclismo no mundo, como, por exemplo, o número de pessoas que não sabem andar de bicicleta.

© Ipsos

Ela revelou que mais de quatro em cada dez brasileiros (42%) não sabem andar de bicicleta. Segundo o levantamento, a média geral de pessoas que responderam “eu sei andar de bicicleta” ficou em 63%, puxada pela Polônia que apresentou um índice de 83% de pessoas com a habilidade. A Arábia Saudita apresentou o pior número, com apenas 36% de respostas positivas.

A Ipsos também perguntou aos entrevistados se tinham bicicletas. Os brasileiros apresentaram um dos menores índices do estudo, com apenas 26% de pessoas que responderam afirmativamente. No ranking dos países presentes na pesquisa, o Brasil só está à frente de Arábia Saudita (23%) e África do Sul (20%).

© Ipsos

Bicicleta como exercício físico

Quando o assunto é o uso de bicicletas para exercícios físicos, o Brasil está na última colocação entre as nações pesquisadas. Enquanto a média geral de pessoas que usam a bicicleta para se exercitar ficou em 28%, no Brasil o índice é de 17%. Novamente, a Polônia lidera, com 61% de respondentes que afirmaram praticar a modalidade.

© Ipsos

Brasileiros preferem caminhar

Para distâncias curtas, de até dois quilômetros, 39% dos brasileiros responderam que preferem ir caminhando, 20% usam o próprio automóvel, 14% vão de transporte público e apenas 10% responderam que usam bicicleta.


Sobre a pesquisa

A pesquisa foi realizada entre os dias 25 de março e 8 de abril de 2022. Foram entrevistadas 20.057 pessoas on-line, sendo aproximadamente 1.000 no Brasil, com idades entre 16 e 74 anos. No Brasil, a margem de erro é de 3,5 pontos percentuais.

Além do Brasil, integraram a pesquisa: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Bélgica, Canadá, Chile, China, Colômbia, Coreia do Sul, Espanha, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Holanda, Hungria, Índia, Itália, Japão, Malásia, México, Peru, Polônia, Romênia, Rússia, Singapura, Suécia e Turquia.

Autor: Marcos Calliari CEO Ipsos no Brasil

Veja o documento completo aqui: anexo 1.pdf