Bike elétrica: uma solução saudável e segura

Com o repentino aumento do uso e interesse por e-bikes, algumas preocupações se tornaram ainda mais importantes entre os futuros e-bikers. 

Duas das perguntas mais frequentes que recebemos por aqui estão relacionadas à segurança e ao esforço necessário: “Pedalar uma bicicleta elétrica é seguro? Pedalar uma bicicleta elétrica pode ser considerado uma atividade física ou as bikes elétricas são apenas para preguiçosos?”.

Nós poderíamos, como usuários, arriscar nas respostas, e compartilhar nossa experiência com você. Mas estudos trazem resultados objetivos e imparciais sobre esse universo de apaixonados por bikes.

Em julho do ano passado, o “International Journal of Environmental Research and Public Health” publicou os resultados de um estudo realizado com 101 adultos saudáveis (homens e mulheres) que concordaram em pedalar bicicletas elétricas e bicicletas comuns para identificar as diferenças entre as duas modalidades. 

Cada voluntário escolheu um modelo de bicicleta elétrica e, após um período de adaptação, o estudo começou – junto ao acompanhamento e monitoramento dos trajetos percorridos, batimentos cardíacos etc. 

Os cientistas envolvidos no estudo não deram nenhum tipo de orientação com relação à frequência ou tipo de trajeto que os voluntários deveriam fazer, precisamente para que pudessem observar o comportamento de cada um enquanto usavam as bicicletas elétricas versus as bicicletas comuns. 

Os resultados apresentados comprovam que, tanto os homens quanto as mulheres, pedalaram mais frequentemente durante o período em que usaram as bicicletas elétricas – 5 vezes por semana. 2 vezes a mais que a frequência de uso da bicicleta comum (3 vezes por semana). Curiosamente, os trajetos eram muito similares considerando a distância percorrida, porém com uma frequência maior no caso das bikes elétricas, como dito anteriormente. 

Outro ponto interessante sobre os resultados do estudo está relacionado com o cumprimento do tempo mínimo de exercício moderado recomendado pela OMS – 150 minutos por semana. Os voluntários atingiram essa meta enquanto usaram bikes elétricas, e não atingiram durante o período em que usaram bikes comuns.

© Divulgação Vela

Mais de um terço dos participantes relataram que poderiam usar a bicicleta elétrica “por muitos anos” após a experiência, e não foram relatados acidentes durante o período em que o estudo foi realizado.

Falando em acidentes…

Sabemos que muitas vezes o medo de trocar o carro por uma bicicleta está ligado à segurança da bicicleta e do próprio ciclista, por isso, ter cuidado ao pedalar e conhecer as regras de trânsito é essencial.

Não existem evidências de que a bicicleta elétrica seja mais perigosa do que a bicicleta comum, mas a velocidade pode influenciar na complexidade dos pequenos acidentes. Apesar disso, com o tempo, experiência, respeito e cautela, a tendência é de que a probabilidade de acidentes diminua. 

E para garantir ainda mais segurança para você e outros ciclistas, queremos relembrar algumas dicas importantes:

  • Sabe aquele vídeo antigo do “use protetor solar”? Ele é válido nesse caso porque você passará um longo período ao ar livre por ano, mas tão importante quanto é a versão: use capacete!
  • É novo nesse universo? Treine! Assim como dirigir ou qualquer outra atividade nova, o segredo é a prática. Aproveite dias com menos carros na rua e ganhe confiança para pedalar.
  • Comece pedalando com a velocidade mínima da bicicleta elétrica; depois de um período você poderá se aventurar com mais segurança e velocidade.
  • Lembre-se de que a velocidade e peso das bicicletas elétricas também determinam o tempo de frenagem, que geralmente é maior se comparado às bicicletas comuns.  
  • Se beber, não pedale.
  • E em tempos de pandemia, use máscara. 

Não tem erro!

Parceria: www.velabikes.com.br