A hierarquia dos grupos Shimano para Road Bikes.

O ciclismo de estrada é a modalidade mais velha no ciclismo, foi nela que surgiu o primeiro grupo com mais de uma velocidade, devido a necessidade que os competidores tinham com as irregularidades de terreno. Por isso a Campagnolo criou o primeiro grupo com diferentes velocidades.

Hoje em dia o número de fabricantes de componentes de bicicleta é quase incontável, uma das maiores empresas nesse mercado é a Shimano. Nesse post esperamos ajudar você, iniciante ou até mesmo o mais experiente a entender como funciona a hierarquia da Shimano.

© SenseBike

Entendendo os grupos Shimano para Road

Os princípios do ciclismo de estrada são um pouco diferentes do MTB, por isso, a forma como os componentes são criados também é diferente. O número de dentes nos pinhões do cassette tendem a ser bem menores do que as de MTB, enquanto as coroas do pedivela são maiores. Isso acontece por conta da cadência utilizada no ciclismo de estrada.

Muitos outros pontos também diferem as peças e acessórios específicos do ciclismo de estrada, você pode conferir algumas dessas diferenças conhecendo as 4 modalidades de ciclismo.

Já adiantamos que optamos por não colocar os preços dos produtos, devido ao atual cenário do mercado de bikes no Brasil e no mundo. Muitas empresas encontram-se sem estoque de matéria-prima, mão-de-obra e produtos. Por isso, confira os valores quando for comprar o seu grupo ou bike.

Agora que você entende um pouco mais sobre tudo isso, vamos direto ao ponto, a hierarquia dos grupos Shimano para Road bikes.

Tourney

© Shimano

Seguindo a lógica de que citamos primeiro os grupos mais básicos e vamos seguindo até o topo de linha (ordem crescente), o primeiro grupo da nossa lista é o Shimano Tourney, você deve se lembrar dele no post sobre a hierarquia do grupos Shimano de MTB. Pois bem, existem algumas diferenças entre eles, e o principal é o tamanho das coroas e o número de coroas disponíveis no pedivela, sendo ele com 2 (50-34D) ou 3 (50-39-30D) coroas.

As coroas são presas ao pedivela por rebites, e a fixação no movimento central é a famosa ponta quadrada, encontramos o grupo nas versões de 14 e 21 velocidades. Por isso, esse é considerado o grupo mais básico da linha de estrada.

Claris

© Shimano

Esse é o grupo Shimano que começa a apresentar algumas características tecnológicas que são interessantes para que procura se iniciar na modalidade, com pedivela integrado e um design mais moderno, o grupo é altamente recomendado para quem deseja utilizar a bike também como ferramenta de transporte e até mesmo viagens. Disponível em 16 velocidades.

Sora

© Shimano

A partir daqui podemos dizer que o nível do ciclista já um pouco melhor, geralmente atendendo aqueles do nível intermediário que desejam economizar um pouco para em um possível upgrade pegar u grupo melhor, o Shimano Sora já conta com a compatibilidade de freios caliper e freios a disco mecânico e 18 velocidades, as montagens são feitas a gosto do ciclista.

Tiagra

© Shimano

O grupo para quem está com o pé no desempenho, com 20 velocidades, possibilidade de usar freios a disco hidráulicos e melhorias no design. O Tiagra apresenta recursos suficientes para quem deseja participar de competições amadoras.

105

© Shimano

De longe o grupo mais custo-benefício da lista, disponível em 22 velocidades, com design aerodinâmico e materiais mais leves. Essa é a opção ideal para quem deseja competir sem que seja necessário investir absurdos em um grupo.

Ultegra

© Shimano

É importante deixar claro que a partir daqui as únicas melhorias são de design, tecnologia e materiais mais leves. Encontrado nas opções mecânica ou eletrônica (Di2), o Shimano Ultegra é facilmente encontrado nas bicicletas topo de linha das marcas.

Dura-Ace

© Shimano

Desenvolvido para o uso profissional, esse é o grupo utilizado pelos atletas que correm no pelotão “Pro Tour”, onde o lema “every gram matters” (em português, cada grama importa). Devido ao uso realizado pelos atletas é necessário um mix de materiais como fibra de carbono, titânio, alumínio e aço. Hoje em dia é utilizado no pelotão apenas na sua versão eletrônica (Di2). Essa é a pérola do ciclismo (quando falamos dos grupos da Shimano), considerada uma obra de arte e maravilha tecnológica.

Apoio: https://brciclismo.com.br/