Se não for tragédia, não interessa!

É muito lamentável, mas a TV aberta brasileira só lembra do ciclismo quando acontecem coisas ruins ou chocantes. Nos últimos anos, houve tantos momentos em que nossos atletas brilharem (Avancini foi campeão do mundo, Lauro Chaman é o maior paraciclista do mundo, dentre tantos outros), mas isso não foi mostrado na TV aberta brasileira. Alguns casos raros apenas.

Agora, quando é pra criticar, ou mostrar alguma desgraça, ah, daí sim, lá estão eles, prontos pra disseminar a tragédia.

No último fim de semana não foi diferente, com a divulgação tardia do acidente de Fábio Jakobsen no noticiário “esportivo” que passa na hora do almoço na TV aberta.

infelizmente, a mídia nacional não reconhece grandes nomes do ciclismo e seus feitos. Temos vários atletas talentosos nesse esporte tão bonito e democrático que trazem prêmios e vitórias para o Brasil. E aqui mesmo no país, acontecem excelentes provas e eventos, nas mais diversas modalidades. Investimentos nesse setor poderiam ser uma injeção na atual economia do país, já que ciclismo atrai turismo e ajuda a mover a indústria nacional.

Sem falar nas milhares de lojas de bikes espalhadas pelo país que, com mais fomento ao ciclismo, fariam a roda socioeconômica girar mais fluentemente. Quantos ciclistas, mulheres e homens, talentosos e aguerridos, são desperdiçados no país do futebol, simplesmente por serem ofuscados pela mídia –  daí, nunca surge uma oportunidade. E, com mais atenção da mídia, quantas pessoas poderiam conhecer e se interessar pelo ciclismo. Nossas cidades seriam mais belas e limpas; nosso ar seria mais puro, nossa sociedade seria mais humanizada; nosso planeta seria melhor. De fato, é uma pena que o ciclismo só vire notícia diante duma tragédia!

 Rafał Rusek / Pressfocus