Mesmo na elite do ciclismo, 34% das atletas trabalham sem salário

Desde 2018, uma pesquisa mapeia o cenário do ciclismo profissional de estrada feminino. O estudo é conduzido pela Aliança de Ciclistas (The Cyclists’ Alliance -TCA), entidade que representa as atletas.

Atualmente, 160 mulheres estão em equipes do WorldTour (WWT), a elite da elite, e 771 em equipes Continental. Dentre elas, 97 atletas responderam ao levantamento deste ano, sendo 27% do WWT e 73% Continental. Das respondendentes, 86% acreditam que seus salários são muito baixos e 34% informaram não terem recebido nenhum salário para treinarem e competirem no ano de 2021. Por ser uma pesquisa anônima, com variação entre quem responde a cada ano, os dados não são diretamente comparáveis. Ainda assim, em 2018 o número das atletas que não recebiam salário foi de 17%.

As regras de salário obrigatório para as atletas, definida pela UCI em 2020, só se aplicam às equipes WorldTour. Já a maioria precisa conciliar o trabalho de atleta com uma ocupação paralela.

Pela primeira vez o mapeamento das atletas mulheres no ciclismo foi dividido em três categorias: condições de trabalho, aspectos legais e cultura das equipes. Os resultados das outras duas categorias serão divulgados pela TCA em breve.

Leia mais sobre as condições de trabalho das atletas profissionais: https://bit.ly/MulheresCiclismo2021

Essa notícia você lê primeiro na Bicicleta News, um resumo exclusivo com as principais notícias do mundo da bicicleta direto no seu celular. Para assinar, basta mandar uma mensagem para a Aliança Bike no +55 (11) 97114-0140

Link para mandar mensagem direto: http://bit.ly/Receba-Bicicleta-News

Parceria Revista Bicicleta / Aliança Bike