As vendas em 2020 começaram bem para a Shimano, por conta do inverno ameno na Europa, mas, como a maioria das empresas, houve um declínio acentuado quando a pandemia ocorreu.

As vendas líquidas do segmento de componentes de bicicletas diminuíram 15,4%, em comparação com o mesmo período do ano passado, para 58.868 milhões de ienes, enquanto o lucro operacional diminuiu 26,1%, para 10.298 milhões de ienes.

Na Europa, a Shimano observou fortes vendas no varejo de bicicletas concluídas, principalmente as de e-bike, mas a partir de meados de março diminuiu rapidamente e os estoques de distribuidores na Europa aumentaram rapidamente.

Na América do Norte, as vendas da unidade de varejo de bicicletas concluídas foram fortes, novamente apoiadas pelo bom tempo, mas depois caíram em março, graças novamente ao coronavírus, vendo os estoques dos distribuidores em um nível alto.

A pandemia também desacelerou as vendas no varejo na China, embora os estoques dos distribuidores geralmente permaneçam em um nível apropriado, disse a Shimano.

No Brasil, as vendas no varejo estavam em tendência de recuperação após a estagnação devido à instabilidade política, mas desaceleraram rapidamente no final de março. No mercado argentino, onde a depreciação da moeda continua, as vendas permaneceram estagnadas.

No mercado japonês, as vendas no varejo de bicicletas comunitárias para ir ao trabalho e para a escola e as bicicletas esportivas de médio a alto nível foram fracas ao longo do período, mas as vendas de e-bike permaneceram fortes. Os estoques dos distribuidores geralmente permaneceram em níveis adequados.

A marca disse: “Sob essas condições de mercado, os componentes MTB de alta tecnologia Deore XT e SLX e os componentes de aventura em cascalho GRX foram bem recebidos no mercado. Além disso, os componentes do E-BIKE esportivo SHIMANO STEPS foram favoráveis.”

Texo: Jonathon Harker

Fonte da matéria