Batman nasceu em 1939 pelas mãos do escritor Bill Finger e do ilustrador Bob Kane.

No mesmo ano eu nascia em Olímpia.

Em comemoração aos 80 anos do Batman, Sampa Bikers com o apoio da Warner Bros promoveu o Pedal do Batman reunindo cerca de 100 ciclistas que vestindo as camisas com o símbolo do morcego circularam pelas ruas de São Paulo na noite de 8 de julho.

Em virtude da coincidência da idade recebi uma singela homenagem e a Warner me forneceu em cinza e preto, a roupa do antigo Batman.

Cheguei apressado na Adoro Bike, o ponto da largada, abracei os amigos, ajudei alguns nos ajustes e recebi a fantasia pra me vestir. Era um macacão, peça única onde me enfiei e que se fechava por trás, com um ziper, como nos vestidos femininos. Calcei as sapatilhas, ajustei a máscara do morcego no capacete e já me chamavam para as fotos da largada quando POW! A bexiga envia uma mensagem para o cérebro: estou cheia, é preciso verter…o relógio me dava 4 minutos pra largar, corri à toalete que felizmente estava livre, entrei, me tranquei e fui ao ato. Pânico! O macacão era todo fechado, fui ao ziper nas costas, tentei por cima do ombro com a direita por baixo pela omoplata com a esquerda e não conseguia acesso…mais pânico…pensei em sair do recinto pra pedir ajuda, mas pedir a um amigo ou amiga pra abrir o ziper para acessar o assustado recolhido poderia ser interpretado como assédio…mais pânico… aí pensei em arregaçar uma das pernas do macacão ao máximo que desse para mijar pelo lado como criança, quando usava calça curta ou calção sem braguilha, não deu…mais pânico…me vieram pensamentos dos tempos de moleque, assíduo leitor de gibis e não me lembrei de nenhum momento em que visse nos quadrinhos o Batman mijando, ih! o Batman não mija, daí esse maldito macacão isento de acessórios que assistam à fisiologia do Batman nascido em Olímpia…mais pânico…eu não sou o Batman…mais pânico…daí, ensandecido, meti as mãos nas partes disposto a rasgar a fantasia anti-ergonômica…mais pânico…mas aí, senti na ponta dos dedos um minúsculo e estranho fragmento, nada mais que um ziper anão de pequeno curso, preto bem disfarçado sobre tecido preto…alívio total, bexiga agradecida e eu agradecido ao Batman…ele era humano!

Saímos pra aventura rumo à Vila Madalena, Beco do Batman, escondido na São Paulo Gotham City, em clima de muita alegria e festa. Dali, rumo ao Ceasa e Vila Leopoldina quando na Praça Panamericana um cisco de metal deixado pelo Coringa furou a câmara da minha batmanstumpjumper. Comigo, no apoio ficou Carlão, consertamos o estrago e partimos na busca do pelotão, nos agregamos lá pela Leopoldina e voltamos em festa e agradecimento ao herói nascido de Bill e Bob Kane.

Grato Paulinho, grato Warner, grato Adoro Bike, grato Carlão, grato Batman, grato a todos.

Fonte da matéria